quarta-feira, 25 de março de 2009

Pra quê tanto stress?

Tenho me feito essa pergunta frequentemente. Como Saramago comparando nossa geração à caverna de Platão: "quem lê tanta notícia?". Adoro quando ele diz que se recebesse 500 jornais não teria tempo de ler nem de absorver nada que estivesse neles (e nós recebemos conteúdo pra além desses 500 jornais, não é?).

Saramago, eu também não sei quem lê tanta notícia, não sei o que fazemos com tanto informação. Não sei pra quê tanta coisa, tanto stress generalizado. Precisávamos de muito pouco para viver a séculos atrás, e hoje não podemos viver sem superfluos. Pra quê tanta coisa, meu Deus?

Hoje eu acordei e fui pro Pilates. Alonguei, estiquei, malhei, suei, respirei fundo, senti meu corpo e minh´alma. De repente eu vi que a gente não tem mais tempo pra essas coisas básicas e boas da vida: respirar bem fundo e sentir o ar passando pelos pulmões.

Então hoje eu decidi não correr atrás da bola. Levantei a cabeça, olhei o meio de campo, mirei no gol e vi um goleiro afoito. Não vou tentar passar a bola por três adversários. Descubri que é só olhar pro lado, trabalhar melhor a bola, encontrar alguém bem colocado e tocar. O gol sai no sufoco e no stress, mas também sai com jogadas ensaiadas e bolas bem trabalhadas. Não é necessário marcar falta nem tomar cartão. Um bom jogo a todos nós.

3 comentários:

Humberto disse...

Espetáculo de texto, Lorena, dá gosto de ler!
Beijo.

breno costa disse...

Hoje, temos mais "conhecimento" do que Newton ou Darwin. Talvez é por isso que não conseguimos, dentro das devidas proporções, revelar as leis da física ou da evolução natural das espécies.

Charlie disse...

vontade de dar um grito e sair correndo como se não houvesse amanhã...