quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Pra não dizer que não falei das flores...

Eu amo Los Hermanos. A construção da letra, o som dos instrumentos abafando a voz do Marcelo Camelo. Quando a banda resolveu interromper os trabalhos, pensei ter perdido os compositores/cantores que mais gostava. Gosto de poucas bandas o suficiente pra ouvir um cd todo e gostar de todas as músicas, ao ponto de passar todas para o mp4, o cd inteiro.
Mas Marcelo Camelo fez uma surpresa tão boa que é de emocionar. Sua carreira solo é uma das coisas mais mágicas dos últimos tempos. Das bandinhas modernas, odeio a maioria. Minha surpresa mais recente é a Amy, que amo antes do sucesso, antes de Rehab.
Agora é Camelo. Que trouxe uma nova paixão...
Mas Camelo, grandioso que é, trouxe consigo Mallu Magalhães. 16 aninhos, competência de adulto, uma voz doce e infantil que me aperta o peito de conforto. "Janta" é uma das músicas mais lindas que já ouvi. Camelo cantando suave, Mallu me enxendo o coração de coisas simples. Vale muito a pena ouvir.

Obrigada Camelo. Obrigada Mallu. Talvez a única coisa boa que eu descobri nos últimos tempos.
Obrigada Humberto, que explica com tanta delicadeza e compreensão as dores que eu sinto.
Obrigada Friends. Só os verdadeiros. Que nunca vão entender, mas talvez se importem.
Obrigada Deus. Por repor a fé quando acho que já não tenho nenhuma.
Obrigada Breno. Pelo amor sincero, que entende que laços são invisiveis.
Obrigada ele. Que me ouviu. Que falou. Que ontem leu.


Essa música foi feita pra mim. Certeza.


Janta (tradução, porque nem todo mundo é obrigado a saber inglês...)
Composição: Marcelo Camelo.

Marcelo Camelo e Mallu Magalhães

Eu quis te conhecer mas tenho que aceitar
Caberá ao nosso amor o eterno ou o não dá
Pode ser cruel a eternidade
Eu ando em frente por sentir vontade

Eu quis te convencer mas chega de insistir
Caberá ao nosso amor o que há de vir
Pode ser a eternidade má
Caminho em frente pra sentir saudade

Clipes e lápis de cor na minha cama
Todos pensam que estou triste
Vou passear nas melodias e abelhas e pássaros
Ouvirão minhas palavras?
Estaremos nós dois e você e eles juntos?
Eu posso esquecer de mim mesmo
Tentando ser todos os outros
Eu sinto que podemos ir embora
Me delicie hoje
Eu te deixo ficar se você se render

Eu quis te conhecer mas tenho que aceitar
Caberá ao nosso amor o eterno ou o não dá
Pode ser a eternidade má
Eu ando sempre pra sentir vontade.


3 comentários:

Rute Faria disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rute Faria disse...

Eu sempre achei que a tristeza fosse uma lição que a vida nos dá, para que depois, possamos passar por provas mais difíceis e sair ilesos.

Hoje eu tenho certeza disso.

Por isso, tenha fé acima de tudo. Independente do que seja, saiba que depois da tempestade, sempre vem a bonança...
E eu estou na arquibancada,torcendo pela sua vitória.(Pode acreditar)

HUMBERTO disse...

:)

Eu que agradeço suas palavras sempre sábias. E, no mais, fiquei lisongeado com a "delicadeza". Eu não sou delicado, não, minha amiga, sou um bronco tosco e insensível. :)

Felicidade pra você.
bjo!